Teresa Britto ameaça responsabilizar criminalmente secretário de Saúde - Jornal da Ilha Grande Piauí

quinta-feira, 30 de maio de 2019

Teresa Britto ameaça responsabilizar criminalmente secretário de Saúde


A deputada estadual Teresa Britto (PV) ameaçou responsabilizar criminalmente o secretário de Estado de Saúde, Florentino Neto, caso uma paciente, que espera há mais de 20 dias, a transferência do Hospital Tibério Nunes, em Floriano, para Teresina, vier a óbito. As mortes, segundo a deputada, tem sido comum naquela casa de saúde.

A parlamentar disse hoje (29), durante a sessão plenária, que a paciente tem mais de 70 anos e sofreu uma fratura do colo do fêmur. E advertiu que o caso pode evoluir para uma patologia mais grave devido as condições de atendimento da paciente.
“Ela está isolada em uma sala na companhia de outra pessoa do sexo masculino, tendo que fazer todas as necessidades e higienização na frente de um desconhecido”, assegurou.
Segundo ela, a senhor a de 70 anos precisa receber atendimento prioritário, mas o secretário Florentino Neto parece ter medo do governador Wellington Dias e não leva os problemas até ele ou, se leva, o governador faz ouvido de mercador e deixa para resolver os casos depois. “Se essa paciente morrer eu não vou deixar barato”, disse.
Para a deputada, em Floriano foi feita uma "maquiagem" no Hospital Tibério Nunes durante a visita da Comissão de Saúde, mas a situação piorou depois que os deputados retornaram para Teresina.
“Não chamamos o secretário de Saúde para vir aqui por falta de confiança. Queremos uma audiência com o governador para que ele tome conhecimento dos problemas e possa resolver. O que achamos é que as autoridades se acostumaram com o sofrimento do povo e não procuram resolver nada. Mas nós vamos cobrar para que eles acordem”, afirmou.
Teresa Britto disse que quando o secretário veio à Assembleia e disse que havia solucionado os problemas, mas a verdade é que continua faltando medicamentos para os pacientes renais, o número de transplantes foi reduzido e falta até mesmo agulhas e seringas em diversos hospitais, como o de Bom Jesus.
“Os servidores estão trabalhando por amor, pois com os salários atrasados a tendência é que todos os médicos peçam demissão. Os anestesistas de Floriano entraram em greve hoje”, informou.
Em aparte, o deputado Gustavo Neiva (PSB) disse que está preocupado com as respostas do governo em relação à precariedade dos hospitais regionais, pois os deputados ligados ao Palácio de Karnak só apresentam números e esquecem de indicar soluções problemas. 
“Eles não falam em pagar os salários atrasados desde os médicos até os zeladores. O déficit mensal do Hospital Tibério Nunes é de R$ 1,5 milhão e a dívida acumulada já passa dos R$ 17 milhões. O Tibério Nunes está lotado de pacientes porque todo o resto da cadeia de saúde pública está quebrada”, garantiu.
Gustavo Neiva disse ainda que não apenas os hospitais de Picos e Floriano que enfrentam dificuldades devido a falta de recursos, mas os hospitais de Bom Jesus – onde hoje estava faltando agulhas para a aplicação de medicamentos – de Corrente e de Uruçuí, esse último está com o centro cirúrgico interditado devido a uma reforma que não acaba nunca e por isso não realiza partos há vários anos. “Precisamos de soluções e não de estatísticas”, encerrou.

Fonte: Com informações da Alepi