Casal é preso acusado de explodir banco no Maranhão - Jornal da Ilha Grande Piauí

sábado, 31 de agosto de 2019

Casal é preso acusado de explodir banco no Maranhão



A Polícia Civil apresentou nesta sexta-feira (30) em São Luís, Eduardo de Castro Oliveira e Gilcilene Nascimento Gomes, que são suspeitos de explodir agência do Banco do Bradesco no bairro São Francisco. De acordo com os policiais, após a explosão na agência bancária os bandidos fugiram e não levaram nenhuma quantia em dinheiro.O casal foi preso na noite dessa quinta-feira (29) no bairro Ilhinha, na capital. A polícia ainda procura outras três pessoas que também estão envolvidas com a explosão. Junto com os suspeitos, os policiais apreenderam um veículo roubado que foi usado durante a ação e em outros crimes.
       Gilcilene Nascimento e Eduardo de Castro foram presos pela Polícia Civil. — Foto: Reprodução/TV Mirante   
Segundo o delegado Luciano Bastos, chefe do departamento de combate à roubos de instituições financeiras da Polícia Civil, Gilcilene Nascimento era a responsável por guardar os objetos que eram utilizados na explosão da agência bancária. O casal também será investigado se há participação em outros crimes.
       Com a força da explosão, a fachada de vidro ficou destruída e o teto desabou também na agência do Bradesco em São Luís — Foto: Reprodução/TV Mirante  
"Por volta das 3h da manhã ocorreu o evento criminoso no bairro São Francisco. De imediato equipes do departamento iniciaram uma série de diligências e o setor de inteligência conseguiu identificar o Eduardo como um dos autores desse crime, bem como a Gilcilene que era responsável por armazenar os materiais que eram utilizados na explosão, como a bomba, alavanca, luvas e outros objetos encontrados", explicou o delegado.
Eduardo de Casto estava foragido da Justiça do Maranhão e foi beneficiado com a saída temporada do Dia dos Pais. Ainda de acordo com o delegado, a modalidade de crimes desenvolvidos pelas facções em São Luís são diferentes das explosões de banco registradas no interior do estado.
"São facções criminosas, ao menos duas já identificadas, que estão adquirindo essa habilidade de praticar explosões aqui na capital que são modalidades diferentes das explosões no interior do estado. No interior vão uma patrulha de 15 ou 20 pessoas que cercam a cidade e realizam o roubo. Já na capital, vão quatro indivíduos com armas de fogo e utilizam a velocidade para realizar a explosão e em seguida, empreenderem fogo", disse.

Fonte: G1-MA